Atenção! Bandidos estão se fazendo passar por advogados deste escritório para, ao final, solicitar algum tipo de pagamento. Não se deixe enganar! Nossos telefones para contato são apenas os informados neste website. Não acredite em mensagens de WhatsApp ou ligações de números diferentes. Já tomamos as providências necessárias e há inquérito policial em andamento.

Fechar
Open Popup

Visando a proteção social e econômica, a lei permite a formação de um pacto antenupcial a fim de proteger o futuro casal na ocorrência de uma separação ou divórcio. O pacto é formalizado através de um contrato anterior ao casamento, decidindo-se aí o regime de bens que vigorará durante o matrimônio.
Sua previsão legal encontra-se no artigo 1.653 do código Civil Brasileiro.
Esse contrato é formalizado por meio de escritura pública e só passa a ter validade após a efetiva formalização do casamento. Caso esse não ocorra, o pacto antenupcial é considerado nulo.
Antigamente, o casal que decidia por um tipo de regime de bens não poderia alterá-lo durante a vigência do casamento. O novo código Civil de 2002 mudou essa regra e permite a alteração do regime anteriormente escolhido, desde que autorizado judicialmente e solicitado por ambas às partes.
As partes devem estar certas de sua escolha quanto ao regime de bens, pois as consequencias deste ato para o futuro podem ser muito importantes. A fim de proteger o casal de qualquer problema nessas situações, o correto é ter auxílio de um advogado que os instrua sobre os rumos a tomar.

O que diz a Mídia:

Leia as matérias em que Nossa Equipe foi destaque na Imprensa do País

 
imprensa rezendeneto